visitantes

domingo, 28 de junho de 2009

...rubro desmazelo entre-quebrando a asa da palavra...


é tinto o astro que cansa de vagar
sobre o penhasco enroscado do verso
carrasco da palavra torta que corta a folha
da melhor estória
cabaça rebentada no talo do momento
as loucuras traquinando entre os gemidos
até a mordida mais rouca das estrelas no céu da boca
despencando todo certeza esfarelada
ofuscamentos enforcamentos
que não alcançam os pedidos ebulidos
pretéritos bulidos de delírios
de lírios que foram colhidos com os mesmos dedos
suaves, contando os apagamentos do sol engolido
que vai rasgando a garganta das frágeis memórias
estremecendo os vazios assombrados pela chuva que não se vai
todo o firmamento se curva aos silêncios brilhantes do tempo
que mora na insensatez dolorida
como um delicado sangramento
grudam-se as peles eriçadas
e todos os eles são longas lambidas
laterais medidas de encaixe
que vão gastando as salivas e os peitos
doces recortes quase mosaico decote de eus
tão nus, entornando os desejos
nos meneios, nos seios do instante que se enrugam
esvaziando os sentidos róseos de todos os nós
dentro da sala de espelhos

01:56h
27/06/2009

7 comentários:

  1. Soltura e fluides num jorro de imagens que deliram!!! Muito bom como sempre.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Lindo!! Imagético, sensorial...um dos melhores, entre tantos...

    Um beijo....

    ResponderExcluir
  3. :9
    no words
    vc continua a melhor
    atualmente estou perdido na sala de espelhos...
    te quiero!!!

    ResponderExcluir
  4. Nossa!

    Fantástico!

    Não sei se sua imagem era essa, mas a a idéia de uma sala de espelho dentro do sexo feminimo não saiu da minha cabeça, uma sala interna. Demais!

    abzzz

    ResponderExcluir
  5. Um poema metalinguistico, fala do que se usa pra fazer poesia, mas vc é safada pra caralho, pois o meu, não poema, o caralho, esboçou uma reação ao ler a coisa, e a cabaça é mesmo cabaça ou a cabaço de uma lolitinha safada escondendo puro sexo de tetinhas e picarocas voadoras, loirinha, ahá ! Tenho que fazer algo ali, em nome da poesia, Milady Verlaine !!!
    De seu rasgador,
    Rimbaud, o velho.
    Beijos.
    º

    ResponderExcluir
  6. Estou Orgulhoso!!!

    rsrs - beijinhos

    ResponderExcluir
  7. Beatriz, lindo poema mocinha, adorei!

    ;)


    Beijos,
    G

    ResponderExcluir