visitantes

quarta-feira, 21 de maio de 2008

indício de que estamos...

s/ nome - sombra de prata - 31mar2007



era maior do que eu e às vezes ainda crescia mais porque enxergava nuances de longos braços e pernas. insistia em andar ao meu lado direito, um pouco mais à frente. não estava sabendo lidar com aquela proximidade irritante e opaca. assim que quando tomava o anverso que era meu, eu fazia questão de acelerar para abatê-la... espezinhar mesmo...divertia-me com o encalço (dessa vez, meu).
então, selamos a perseguição. mas eu me sentia mal porque ela estava, na maior parte do tempo, alguns passos adiante. nunca a havia percebido e tampouco ninguém se dava conta da minha aflição. era um tal de conversa pra cá e conversa pra lá e eu tentando me desvencilhar do atrevimento dialético entre mim e aquele vestígio ensurdecedor.
.....
Aprendi a passear no verão, quando ainda se misturavam famílias no apartamento térreo da Vila Caiçara e curtia-se a pele na dura areia da praia coberta com esteiras de coloridas bordas que marcavam a gente. frisos rosa-ardidos caminhavam conosco pelas barracas em que exibíamos biquínis e cabelos aos rapazinhos. não entendo por que, ainda, quando chove, o cheiro de terra me leva pra lá e posso caminhar naquele asfalto de antes com pedrinhas e folhas renunciadas. as que insistiam mais altas seguravam o mênstruo das nuvens e troçavam de gotejá-lo nas costas aos desconcertantes calafrios. fui iniciada em lidar com ruas e pernas através da concessão delicada que mamãe fazia da sua mão à minha. assim, mantínhamos a distância ideal e o laço indissolúvel do melhor abrigo entre o que eu desconhecia, caso eu precisasse de acolhida no sobrepujamento.
às vezes, apertava sem querer, com a minha pequenina, a mão terna que mamãe me dava. nas ocasiões de escutar eu também querendo falar, mas o que gritava era mudo. eis que nos submetemos à esquina e topamos com o dimanar redondo do dia ao meu encontro, com seu cantarolar vespertino que era de uma tristezinha estranha aos meus olhinhos semi-cerrados. o ensaio para vislumbrá-lo já foi o pretexto de amarilhar-se... é, o Sol não sabe disfarçar, alardeando e transbordante na insistência do reparo – raro – sua dor arde em mim. pupila bem dentro, que toca o vão do momento que perambula pela casa sem chave que me habita.
além de, foi ele quem arremessou ao verso o que me perseguira até então... ah...como amei-o naquele dis-traindo do que eu era! desfechei-me para ele... acendi os olhos até dilatá-los e, ele, sem jeito em sua sabedoria...não sabia se pôr diante daquela circunstância e eu trouxe-o para dentro do ventre em estreante interstício... evoquei mamãe pra contar-lhe sobre o mistério desvendado enquanto ele escondia-se na branca incerteza e renascia morador das minhas espaldas. dessa vez, mamãe virou-se pra mim. eu me descobrindo, apontei pro chão - olha o neném bia!


Madrugada de 18 de janeiro de 2008

9 comentários:

  1. Que linda imagem, Beatriz! De quem é a foto mágica?... e teu texto, tua escrita, como sempre, fantástica, ferina, fulgurante, intrigante, instigante, impetuosa!... Gosto da força-e-delicadeza que colocas nas palavras, as letras parecem cintilar e cortar, abrindo novos caminhos, à sua passagem! ABraços alados!

    ResponderExcluir
  2. Beatriz:

    Bela prosa poética!
    Os caminhos externos, muitas vezes, são os de nossa estrada interior...
    Um passeio pelo feminino & suas lembranças.
    Estarei visitando outras vezes.

    Beijão.

    Ricardo Mainieri

    ResponderExcluir
  3. Contexto bem feito, bem construído com uma sutileza ímpar que parece um ikebana pra quem lê.
    Um grito de nostalgia, um querer de sol, uma potência de vida.

    Beijo e muita luz.

    ResponderExcluir
  4. mistérios, ah, os mistérios escondidos no próprio instante em que tudo escapa pelos vãos dos dedos!

    deixar aqui meu textinho novo:

    http://eder-fonseca.com.br/ss-v1-2007/index.php?entry=entry080514-175737

    um abraço,

    eder.

    ResponderExcluir
  5. Anônimo10:11 PM

    belíssima imagem e belíssimo texto.
    http://comunicatudo.blogspot.com/
    Marcelo D'Amico

    ResponderExcluir
  6. Mais beje do que nunca!
    =]

    ResponderExcluir
  7. Ei, a saudade das tuas letras ia longe, sabia?
    Só pra variar, cá estou maravilhado...uma palavra que foge à ordem (ordem?? mas, que ordem se até o sotaque nos querem levar??) aqui e acolá aparece surpreendendo...lindo moça, muito lindo...

    Bjs!!

    ResponderExcluir
  8. Oi, Bia!
    Memórias poéticas, descoberta do mundo, descoberta pelo mundo... Belo texto!

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Menina! Que que é isso?!
    Esse texto me tirou os pés do chão por alguns momentos.
    Magnífico!
    Parabéns!

    ResponderExcluir