visitantes

terça-feira, 7 de agosto de 2007

5 contos até o dia 5



A história de uma pessoa poderia ser relatada a partir de um carro, aos 5 anos e o regressar a casa de meio-dia. Mochilas e crianças em colos, fingindo enfiar suas vidas inteiras em pedaços de pernas maiores. Corpos sobre corpos dentro de um corpo que se excede em dimensão e carrega todos os outros. Uma freada e uma caneta Bic enfiada no céu da boca como que em extração invertida da terra mais vermelha do firmamento interior, na carne alta da boca que macula a antepalavra. De lá pra cá não se separam sangue e tinta em rubra textura de arreganhar os dentes do verbo.
Também haveria a hipótese de que uma narrativa fosse inaugurada pelo talho natural da menina em contorções espasmódicas. Desventura de ventre que se estilhaça de vitrais apreensivos. Jorros instintivos apalavrados com os períodos amaldiçoados de já em fendas mensais encomendadas, porque de 15 em 15 dias despontam cólicas indesculpáveis de criação despetalada.
E quando se desfralda da face dorsal de canhota obsessão de 5 dedos femininos a lâmina em endurecida recurva por mais um corpo devassado em nuança que se ruboriza, pode-se principiar nova fabulação. Gancho embaulado de segurar ficções por um triz em pontiaguda aflição que suplica agarrar-se em outro. Opérculo de conchas, invólucro de cal e gozo que rasga os verbos em tempo mais que perfeito. Endurecimento. Calosidade ardente. Pisadura dos arreios. Carne ainda quente e unha ferindo a pele do papel em nova tentativa de corte...sempre fundo!
Seria novo romance se às 5 da tarde de uma sexta-feira, fosse feita uma visita à casa humilde de locatárias surdas. Talvez restasse algo de vibrante em algum dormitório que nunca se conhecera. No entanto, fricativas em lavar a cozinha que seria entregue junto com os quartos, a sala e o banheiro ao proprietário. Órfãs de uma vida esconsa, indiferentes a ouvidos menos enfraquecidos de barulhos distintos. Ruídos que arruínam tentativas de receber atenção. Anônima indiferença de esquartejar esperanças e dilacerar folhas virgens amarelecidas pelas estações em que não foram abertas ao empunhar da caneta.
Houve uma madrugada no meu tempo, insistente para que as teclas selecionassem em correria de idéias, alguns bocados de palavras. Ela foi chegando sorrateira por entre os vãos de miolos que labutam em surdina a fim de que fossem entregues 5 contos até o dia 5. No outro
extremo que guarda anos de lágrimas...quase endurecidas.....lê-se apenas a ponta da lança, remate globular do canhão que arremessa um grito ainda ensangüentado de alguém que acaba de nascer no dia 7.



02:55h
De 03 até o 07/05/2007

24 comentários:

  1. putz Bia.
    Quando acabei de ler, fiquei olhando, boaquiaberta, para a tela do pc.
    não sei dizer nada. não sei, simplesmente.
    tô estupefata.
    babando.

    ResponderExcluir
  2. Uauuuuu.... quanta coisa.... teu blog é bem poético, porem...bem reservado.

    ResponderExcluir
  3. mas que que eh isso!!
    lindo lindo texto!
    amei!
    bjs

    ResponderExcluir
  4. Elogiar tantas vezes parece que gasta e o elogio perde valor. Mas como não elogiar, ou não dizer "putz", como a Samantha fez, depois de ler o seu texto? Dá vontade de colecionar suas palavras sabia. Amei é pouco. Manda rápido para as revistas para que mais pessoas possam ler também! Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Belas palavras.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  6. Excelente apuro verbal. Muito bom o conto. Parabéns!

    ResponderExcluir
  7. gostei do estilo.
    estaria sendo falso se disesse que gostei de tudo deste último texto. Achei realmente muito interessante, com excessão do uso excessivo de sinônimos.

    Sinônimos foram feitos para mentir.

    Mas realmente muito bom.
    Pegando a idéia em si, bem interessante.

    Se tiver algum interesse, meu blog.

    http://shisen.arteblog.com.br

    ResponderExcluir
  8. foda!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  9. Algo de acre e ácido, cortante e triste, neste texto com sabor de ceticismo e sangue...
    Nesta tua escrita caótica e, contudo, afinada, afiada, tilintam os cacos do ser vivo pulsante, mas, no fundo, um desejo de leveza suave sobrevive, sob os estilhaços de memória, de sensações e impressões intensas...

    Desejo que bons ventos de primavera voltem a soprar por aqui, querida!... Hoje vou lá ler teu texto na Cronópios. Tô com saudades de tua presença. BEijos.

    ResponderExcluir
  10. Um bom texto. E dizer mais o quê?

    ResponderExcluir
  11. texto de intrigas e certas nuvens ao chão

    ResponderExcluir
  12. ...(quase dois minutos e ainda não consegui...)
    ...seu texto é forte, peso pesado desferindo um cruzado no meu queixo de peso médio...
    não sei se passei a imagem devida...nova tentativa: se o teu texto fosse uma fratura, certamente seria exposta...
    A gente vai se lendo...

    ResponderExcluir
  13. Passe um olho em "Os poetas marginais do Recife", em http://urarianoms.blog.uol.com.br/
    Abraço.

    ResponderExcluir
  14. jorge mendes4:43 AM

    blz de texto! bjs

    ResponderExcluir
  15. bom, contaram a vida do peter sellers que é o maior ator de comedia de todos os tempos em duas horas. nossa, vc tá escrevendo cada vez melhor.

    ResponderExcluir
  16. To apaixonado por este texto...

    ResponderExcluir
  17. boa escolha de imagem e as palavras...
    :)

    ResponderExcluir
  18. Uow... fantástico o post. Parabéns mesmo. A imagem está linda. O texto??? Deveras confuso... mas é óbvio que foi a tua intensão o fazer assim... infelizmente eu ainda não entrei no ritmo dele...rs.

    Parabéns

    Bjs e um grande abraço.

    ResponderExcluir
  19. Queridos!!!
    Muito obrigada pela leitura!!
    o conto está na nova revista Troça, muito interessante...confiram:

    http://trocapoesia.blogspot.com/

    sempre os maiores amplexos!

    ResponderExcluir
  20. Quase vi fluir o sangue nesse doloroso processo: parir uma escritura.
    Denso texto repleto de memórias.
    Parabéns, Bia.

    ResponderExcluir
  21. Escrever tem essas diabruras. Mais fácil escrever do que dizer como se dá o ato da escrituras.
    Paz e bom humor, Beatriz.

    http://walmir.carvalho.zip.net

    ResponderExcluir
  22. Leandro4:04 PM

    Minhas leituras de tuas leituras
    Sáo como esculturas
    Arde ao fazer
    Espanta o doer!!
    Seti a ti contigo!
    É vivificar!!
    beijos
    Leandro

    ResponderExcluir